Título:
Delphis Fonseca, Curso de Apresentador de TV, Produção de Videobook, Curso de Locutor
Dirección:
http://www.delphis.com.br
Descripción:
Curso de Apresentador de TV, Curso de Locução voltado a profissionais Liberais, Jornalistas, Publicitários, Executivos, Políticos. Produção de Videobooks para Modelos, Atores e Apresntadores.
Palabras clave:
Curso de Apresentador de TV, Curso de Locutor, Produção de Videobook, Coaching em Comunicação
Código de idioma:
en
Autor/a:
MKII Corporation
Colaborador/a:
Delphis Fonseca
Editor/a:
Meu Admin
Derechos:
Delphis Fonseca
Fecha de creación:
2013-10-01
Recurso relacionado:
Curso de Apresentador de TV
Recurso relacionado:
Curso de Locução para Rádio e TV
Siga-nos Siga-me no Facebook Siga-me no Twitter Siga-me no Youtube
Artigos

O Homem, a Galinha e o Troféu

O verdadeiro vencedor não necessita de troféu, a mais imporante constatação após uma boa reflexão sobre as disputas diárias praticada pelos homens.

Atualizado em 1/12/2013


O Homem, a Galinha e o Troféu
Quem surgiu primeiro, o ovo ou a galinha? Essa pergunta tão popular está diretamente ligada à origem dos seres, e nem mesmo o mais renomado cientista do mundo arriscaria respondê-la. A resposta certa valeria ao seu autor, no mínimo, um belo troféu.
E por falar em troféu, teria ele sido criado pelo vencedor, ou já existiria antes dele? Assim como no primeiro dilema, temos apenas duas opções de resposta, portanto, apenas uma tentativa de acerto. Precisamos refletir muito bem. 
Desde o surgimento da humanidade, ou até o que se conseguiu saber dele, o homem desenvolveu o desejo de dominar e vencer seus semelhantes. Essa característica pré-histórica não só foi cultivada até os dias de hoje, como teve uma "evolução" bastante curiosa. Parte dos amantes da disputa desenvolveu uma outra ramificação dela: o importante não é ganhar, e sim ver os outros perder. Seus opositores favoritos são sempre os que eles julgam poder, de alguma forma, por em risco seus planos de vida. Algumas vezes nem precisam de motivo. Apreciam a disputa, pela disputa.
Escolhido o adversário, comumente a recíproca é automática: "Se ele quer jogar desse jeito, vamos, lá!". Um passa a nutrir pelo outro, sentimentos de inveja e ódio. Enfim, buscando dar um nome atrativo, e que dissimule seu real sentido, denomina-se o ato de competitividade. 
Isso dá a impressão de que são determinados, fortes, que sabem o que querem, quando na verdade estão sendo guiados apenas por seus impulsos mais rudimentares.
É fato que as pessoas devam buscar muitos objetivos na vida, e para isso precisam encontrar o seu espaço. Mas, não significa que precisem transformar a brutalidade em um esporte, onde o Fair Play, não faça o mínimo sentido, muito menos destruir seus semelhantes. De fato, para quem enxerga o mundo como uma imensa arena da antiga Roma, a regra só poderia ser: mate ou morra.
Enquanto a vida for encarada dessa forma, haverá gente praticando o anti-jogo para tentar alcançar seus objetivos, em detrimento de uma conduta honesta. Tudo em nome de um "mundo competitivo". Carentes que estão, fazem aumentar cada vez mais sua necessidade de mostrar a todos, o que pensam ser superioridade, enquanto o que expõem, nada mais é que pura insegurança.
Sabemos que vez ou outra isso pode até conduzir alguém aos seus objetivos, mas, definitivamente, não fará de ninguém um vencedor. Esse tipo de disputa oferece apenas um troféu forjado em limitação e orgulho maciços, prêmio máximo aos que encenam essa olimpíada de fraquezas humanas. Tomando suplementos à base de vaidade, esses pseudo-atletas fazem inflar cada vez mais seus egos anabolizados. Sentindo-se verdadeiros campeões, executam um performático e triste mergulho nas densas e turvas águas da desilusão.
Quais seriam as finalidades desses fins? Sim, porque o fim, ao contrário do que eles pensam, não fala por si, nem é literalmente o final. Terá seus desmembramentos, muitos. E esses serão tão proveitosos aos seus conquistadores quanto justos foram os meios dos quais se fizeram valer. Essa lei de causa e efeito não há como ignorar.
Mas, felizmente há muitos atletas de verdade. Gente que, apesar das dificuldades, consegue driblar esse comportamento, saltar por sobre todos os problemas com dignidade e respeito às regras. Praticando um esporte de cooperação, conquistam o que almejam e, ao mesmo tempo, proporcionam um espetáculo bonito, harmonioso, equilibrado e, acima de tudo, justo. Então, podem desfrutar do seu prêmio como legítimos vitoriosos. 
Troféu, em uma de suas definições mais prosaicas, é o conjunto dos despojos do inimigo derrotado. Sendo assim, um símbolo de força bruta, como a dos dinossauros que, há bilhões de anos, já exibiam orgulhosos e aos urros sua presa ao bando. Mas, para eles aquela era a única forma de sobrevivência.
Após uma boa reflexão, a resposta ao dilema inicial já se faz supérflua frente a mais importante das constatações: O verdadeiro vencedor não necessita de troféu.
Quem surgiu primeiro, o ovo ou a galinha? Essa pergunta tão popular está diretamente ligada à origem dos seres, e nem mesmo o mais renomado cientista do mundo arriscaria respondê-la. A resposta certa valeria ao seu autor, no mínimo, um belo troféu.

E por falar em troféu, teria ele sido criado pelo vencedor, ou já existiria antes dele? Assim como no primeiro dilema, temos apenas duas opções de resposta, portanto, apenas uma tentativa de acerto. Precisamos refletir muito bem. 

Desde o surgimento da humanidade, ou até o que se conseguiu saber dele, o homem desenvolveu o desejo de dominar e vencer seus semelhantes. Essa característica pré-histórica não só foi cultivada até os dias de hoje, como teve uma "evolução" bastante curiosa. 

Parte dos amantes da disputa desenvolveu uma outra ramificação dela: o importante não é ganhar, e sim ver os outros perder. Seus opositores favoritos são sempre os que eles julgam poder, de alguma forma, por em risco seus planos de vida. Algumas vezes nem precisam de motivo. Apreciam a disputa, pela disputa.

Escolhido o adversário, comumente a recíproca é automática: "Se ele quer jogar desse jeito, vamos, lá!". Um passa a nutrir pelo outro, sentimentos de inveja e ódio. Enfim, buscando dar um nome atrativo, e que dissimule seu real sentido, denomina-se o ato de competitividade. 
Isso dá a impressão de que são determinados, fortes, que sabem o que querem, quando na verdade estão sendo guiados apenas por seus impulsos mais rudimentares.

É fato que as pessoas devam buscar muitos objetivos na vida, e para isso precisam encontrar o seu espaço. Mas, não significa que precisem transformar a brutalidade em um esporte, onde o Fair Play, não faça o mínimo sentido, muito menos destruir seus semelhantes. De fato, para quem enxerga o mundo como uma imensa arena da antiga Roma, a regra só poderia ser: mate ou morra.

Enquanto a vida for encarada dessa forma, haverá gente praticando o anti-jogo para tentar alcançar seus objetivos, em detrimento de uma conduta honesta. Tudo em nome de um "mundo competitivo". Carentes que estão, fazem aumentar cada vez mais sua necessidade de mostrar a todos, o que pensam ser superioridade, enquanto o que expõem, nada mais é que pura insegurança.

Sabemos que vez ou outra isso pode até conduzir alguém aos seus objetivos, mas, definitivamente, não fará de ninguém um vencedor. Esse tipo de disputa oferece apenas um troféu forjado em limitação e orgulho maciços, prêmio máximo aos que encenam essa olimpíada de fraquezas humanas. 

Tomando suplementos à base de vaidade, esses pseudo-atletas fazem inflar cada vez mais seus egos anabolizados. Sentindo-se verdadeiros campeões, executam um performático e triste mergulho nas densas e turvas águas da desilusão.

Quais seriam as finalidades desses fins? Sim, porque o fim, ao contrário do que eles pensam, não fala por si, nem é literalmente o final. Terá seus desmembramentos, muitos. E esses serão tão proveitosos aos seus conquistadores quanto justos foram os meios dos quais se fizeram valer. Essa lei de causa e efeito não há como ignorar.

Mas, felizmente há muitos atletas de verdade. Gente que, apesar das dificuldades, consegue driblar esse comportamento, saltar por sobre todos os problemas com dignidade e respeito às regras. Praticando um esporte de cooperação, conquistam o que almejam e, ao mesmo tempo, proporcionam um espetáculo bonito, harmonioso, equilibrado e, acima de tudo, justo. Então, podem desfrutar do seu prêmio como legítimos vitoriosos. 

Troféu, em uma de suas definições mais prosaicas, é o conjunto dos despojos do inimigo derrotado. Sendo assim, um símbolo de força bruta, como a dos dinossauros que, há bilhões de anos, já exibiam orgulhosos e aos urros sua presa ao bando. Mas, para eles aquela era a única forma de sobrevivência.

Após uma boa reflexão, a resposta ao dilema inicial já se faz supérflua frente a mais importante das constatações: O verdadeiro vencedor não necessita de troféu.





Vídeos relacionados

Páginas relacionadas



Matérias Relacionadas

Veja a Lista Completa +


Curso de Locução para Rádio, Televisão, Publicidade, Vídeos, Produtos Institucionais e Eventos
Curso para Apresentador de TV
Contrate Delphis Fonseca para Locução e Apresentação de TV e Eventos
Últimas Publicações

Vídeos em Destaque




Newsletter

Receba nossos informativos
Enviando os dados ...
Erro de comunicação.
Dados enviados.


Enviar

Respeitamos a sua privacidade. Seu e-mail não será utilizado sem a sua devida autorização.
Delphis Fonseca
Quer ser um apresentador de TV? Quer aprimorar sua comunicação em público? Temos cursos de apresentador de telejornal, apresentador de televisão (talk show, variedades), narração e locução (rádio e TV), repórter, mestre de cerimônias, desenvolvimento e relacionamento pessoal e desinibição Indicado para jornalistas, atores, apresentadores, palestrantes,
políticos, advogados, profissionais liberais e equipes de vendas.
Você vai aprender a dominar a arte da comunicação
para atingir o sucesso pessoal e profissional
(11) 99829-9221


Meu Admin - Copyright © 2020-2021 - Todos os direitos reservados - Política de Privacidade
Um produto da MKII Corporation (MK2)